L’amour: 12 OZ, de Luciano Salles

Capa-Final_MAIOLOEscrever essa resenha foi tão desafiador quanto ler L’amour: 12 OZ, da autoria do paulista residente em Araraquara (minha terra) Luciano Salles, edição da Mino. E, pelas matérias, resenhas e entrevistas que vêm sendo publicadas em blogs e jornais, essa é a intenção do quadrinista: fazer com que o leitor saia do conforto de apreciar uma história linearizada com começo, meio e fim. A sensação é a de estar num ringue, frente a frente com um hábil e veloz lutador.

Aquele que segura o livro nas mãos certamente será desafiado a fazer várias leituras e diferentes análises, tarefa que não se configura apenas pela complexidade da trama, construída num entrecruzar de tempos passados, presentes e futuros, mas também pelo prazer de estar em contato com uma obra de qualidade.

L’Amour-12-Oz-IMAGEM-SECUNDÁRIA-e1411543505962-509x350Há duas histórias paralelas que se tocam pela forma como o amor é representado.

Um ex-lutador de boxe o demonstra a seu companheiro doente amparando-o até o final de sua vida. O tempo, travestido na figura de um corredor, acaba por se apaixonar pela neta do ex-boxeador, testemunha ocular diária de que existe, sim, o amor imortal, aquele que, como versou Vinicius de Moraes em “Soneto de fidelidade”, não é infinito, posto que é chama, mas que seja eterno enquanto dure. Ciente de que um inesperado cruzado à la Muhammad Ali havia atingido seu coração, o corredor passa a dar seus saltos espaciais e temporais de modo que cruzasse o caminho da mulher de sua vida. O amor que não sucumbe ao tempo o nocauteia e aplica sua revanche, já que, sentimento frágil e complexo que é, na maioria das vezes é atropelado pelo passar das primaveras.

L’amour: 12 OZ direciona o olhar do leitor para os detalhes, as miudezas e pequenos ruídos que rondam o cotidiano das pessoas. A arte de Luciano Salles mostra indivíduos que, longe de pertencerem aos padrões de beleza impostos pela sociedade (ainda bem), possuem traços marcantes, que tornam-se ainda mais bonitos graças às cores empregadas pelo “camarada” Marcelo Maiolo.

O volume é dividido em três intervalos, ilustrados por Rafael Albuquerque, Marcelo Braga e Gustavo Duarte. Os especialistas em quadrinhos Sidney Gusman e Paulo Ramos escrevem prefácio e posfácio, respectivamente.

1da0c717-de2c-44a6-9591-e846f33a97adL’amour: 12 OZ é o terceiro livro de Luciano Salles. Antes, vieram O Quarto Vivente e Luzcia, a Dona do Boteco (que virou curta-metragem). Para 12 de outubro próximo, já está programado o lançamento de Limiar: Dark Matter.

Na expectativa pelo novo título, recomenda-se novas e intervaladas releituras do atual. Assim como O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry, é uma obra que trará novos significados a cada leitura.

L’amour: 12 OZ – Autor: Luciano Salles – Editora: Mino – Páginas: 66 – Quanto: R$ 37,00

Anúncios

2 comentários sobre “L’amour: 12 OZ, de Luciano Salles

  1. Pingback: A nova história de Luciano Salles | O Paralelo

  2. Pingback: Limiar: Dark Matter, de Luciano Salles | O Paralelo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s